Arquivos Notícias - Página 2 de 2 - Companhia da Vacina
hands-way-guide-tourist-1200x793.jpg

Confira o mais recente boletim epidemiológico de Campinas do mês de novembro. Clicando aqui.

Dengue
O Município de Campinas registrou em 2016 até a semana epidemiológica 43 (23/10 a 29/10) 8.306 casos suspeitos de dengue.
Destes, 3.387 casos foram confirmados, 4.216 foram descartados e 806 estão em investigação.

Zika Vírus
O Município de Campinas registrou em 2016 até a semana epidemiológica 43 (23/10 a 29/10) 588 casos confirmados de zika vírus.
Destes, 39 casos foram confirmados por critério laboratorial e 549 foram confirmados por critério clínico epidemiológico (tabela 10). Dentre os casos com confirmação laboratorial 13 casos eram gestantes que apresentaram exantema e foram investigadas para infecção pelo zika vírus.

Chikungunya
No ano de 2016, até a semana 43, foram notificados 41 casos de chikungunya.
Destes, 18 caso foram descartados, foram confirmados seis casos importados e 17 estão em investigação.
Nos anos de 2014 e 2015 foram confirmados respectivamente quatro e dois casos importados de chikungunya entre moradores de Campinas. Não houve confirmação de autoctonia entre moradores de Campinas até o presente momento.


sarampo.png

Para a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), resultado é fruto do esforço de 22 anos de ampla administração da vacina
O continente americano é a primeira região do mundo a ser declarada livre do sarampo. A avaliação foi oficializada nesta terça-feira (27) pelo Comitê Internacional de Peritos de Documentação e Verificação da Eliminação do Sarampo, Rubéola e Síndrome de Rubéola Congênita nas Américas, durante o 55º Conselho Diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).
Com a declaração, o sarampo se torna a quinta doença prevenível por vacinação a ser eliminada nas Américas, após a erradicação da varíola, em 1971; da poliomielite, em 1994; e da rubéola e da síndrome da rubéola congênita, em 2015. O resultado, segundo a Opas, representa o ápice de um esforço de 22 anos, com ampla administração da vacina contra o sarampo, a caxumba e a rubéola no continente.
Antes do início da vacinação maciça, em 1980, o sarampo causava cerca de 2,6 milhões de mortes por ano no mundo. No período de 1971 a 1979, foram cerca de 100 mil óbitos somente nas Américas. Um estudo sobre a efetividade da eliminação do sarampo na América Latina e no Caribe estima que, com a imunização, os países da região preveniram 3,2 milhões de casos e 16 mil mortes entre 2000 e 2020.

Último caso na região
De acordo com a Opas, a transmissão do vírus do sarampo nas Américas foi interrompida em 2002, quando o último surto endêmico foi notificado na região. Entretanto, como o sarampo continua circulando em âmbito mundial, alguns países haviam notificado casos importados.
Entre 2003 e 2014, o número total de casos de sarampo importados ou relacionados à importação do vírus chegou a 5.077 no continente.
No Brasil, surtos isolados e ligados a vírus importados começaram em 2013 e registraram os últimos casos no ano passado. O Comitê Internacional de Peritos esperou a comprovação das evidências da interrupção antes de anunciar a declaração confirmada hoje. A eliminação do sarampo no Brasil foi declarada em julho pela Opas.

A doença
O sarampo é classificado pela Opas como uma das doenças mais contagiosas e afeta sobretudo crianças. É transmitido por gotas de saliva procedentes do nariz, boca e garganta de pessoas infectadas. Os sintomas incluem febre alta, erupção generalizada em todo o corpo, congestão nasal e irritação ocular.
A doença pode causar complicações graves como cegueira, encefalite, diarreia intensa, infecções do ouvido e pneumonia, sobretudo em crianças com problemas de nutrição e pacientes imunodeprimidos. Em 2015, foram notificados 244.704 casos de sarampo no mundo, mais da metade na África e na Ásia.

Vigilância e vacina
Para manter a eliminação do sarampo, a Opas recomenda a todos os países das Américas que fortaleçam a vigilância ativa e mantenham a imunidade de sua população por meio da vacinação.

Fonte: Portal Brasil, com informações da Agência Brasil


lab-1648382_960_720.png

Temos já notícia da composição da vacina contra a GRIPE 2017, envolvendo uma mudança na H1N1, como acontece com frequência por conta da mutação que ocorre nas cepas. Essa notícia foi publicada no último dia 31 de Outubro de 2017.

A atualização das vacinas contra gripe faz parte das RECOMENDAÇÕES feitas pela OMS, para garantir a eficácia do produto.

Todo ano a ANVISA aprova uma nova composição da vacina influenza (gripe) que considera novos vírus circulantes no país e no mundo.

Assim que tivermos maiores informações da previsão de liberação da vacina pela ANVISA voltaremos a informar nossos clientes.

COMPOSIÇÃO DA VACINA CONTRA A GRIPE 2017

 

VACINA TRIVALENTE: serão 3 tipos de CEPAS de VÍRUS em combinação

  • um vírus similar ao vírus influenza A/Michigan/45/2015 (H1N1)pdm09;
  • um vírus similar ao vírus influenza A/Hong Kong/4801/2014 (H3N2);
  • um vírus similar ao vírus influenza B/Brisbane/60/2008

 

VACINA QUADRIVALENTE, diferente da trivalente contém dois tipos de cepas do vírus influenza B, vejamos

  • um vírus similar ao vírus influenza B/PHUKET/3073/2013(ACRESCENTADO NESTA VACINA)
  • um vírus similar ao vírus influenza A/Michigan/45/2015 (H1N1)pdm09;
  • um vírus similar ao vírus influenza A/Hong Kong/4801/2014 (H3N2);
  •  um vírus similar ao vírus influenza B/Brisbane/60/2008

 


logo_lateral_branco

Somos uma clínica que oferece serviços de vacinação para a prevenção, promoção da saúde e bem-estar. Contamos com uma equipe completa e capacitada, além de vacinas de alta qualidade, oferecendo todo suporte, conforto e segurança que você e sua família precisam!

Unidade Campinas

R. Olavo Bilac, 283 Cambuí, Campinas/SP

Fone: (19) 3294-4282
Fone: (19) 3255-1313

campinas@companhiadavacina.com.br

Unidade Sorocaba

R. Dr. Francisco Prestes Maia, 99 Jardim Paulistano, Sorocaba/SP

Fone: (15) 3234-7561
Fone: (15) 3033-4981

sorocaba@companhiadavacina.com.br

Companhia da Vacina© 2016. Todos direitos reservados.