Arquivos Notícias - Companhia da Vacina
banner2-1200x815.jpg

Participamos do II Congresso de Clínicas de Vacinas.

Foto: ABCVAC
Foto: ABCVAC

Confira como foi a Programação:

 

Agenda 9/03 (Sexta-feira)

8hs: Abertura (Geraldo Barbosa – Presidente ABCVAC

8:15h: Gestão Tributária e Comercial direcionadas a clínicas de vacinação
Nelson Bruxellas Beltrame: Professor da FIA, FIPECAF e FGV; Especialista em Custos, formação de preços, eng. Tributária e Logística integrada

9:30h: Inovação: Como se diferenciar em um mercado competitivo
Humberto Massaretto: Graduado em Comunicação Social pela ESPM. Autor, consultor e professor em cursos de graduação, pós-graduação e MBA.

10:45hs: COFFEE BREAK (15 MINUTOS)

11h: Boas práticas na gestão do estoque
Dra. Márcia Faria Rodrigues: Pediatra e Especialista em Adolescentes. Sócia da Clínica Mar Saúde em Santos/SP

12h: ALMOÇO (1H30)

14:30hs: Testes rápidos: uma nova oportunidade de negócios
Imunosul

15hs: Vacinas para alergia
Dr. Edimilson Migoswki e Dr. Anderson Matos: BRL Vacinas

15:45hs: COFFEE BREAK (15 MINUTOS)

16hs: Bate papo com indústria farmacêutica: GSK, Sanofi, Pfizer e Abbott

 

Agenda 10/03 (Sábado)
8:30hs: Gestão financeira de negócios
Paulo Zuffo: Professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e especialista em investimentos e capital estrangeiro no Brasil.

10hs: Marketing digital nas organizações de saúde
Thiago Costa: Professor de marketing digital na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) em São Paulo).

11hs: COFFEE BREAK (15 MINUTOS)

11:15hs: Treinamentos efetivos: aumentando as vendas
Marcelo Sternberg: Formado em gestão de comunicação em saúde pela Universidade de São Paulo (USP), MBA em marketing pela ESPM e experiência em gestão de treinamento nas empresas MSD e Pfizer.

12:30h: ALMOÇO (1 HORA)

13:30hs: Apresentação de modelo de gestão de compras conjugadas
Bionexo

 

http://medaction.com.br/congressoabcvac/


pexels-photo-725877-1200x800.jpeg

O primeiro brinquinho dos bebês merece ser feito com todo cuidado! Por isso usamos o SYSTEM 75, que é o sistema de aplicação mais moderno do mundo: a colocação é precisa e os brincos são mais fininhos e delicados, embalados e esterilizados individualmente em cápsulas descartáveis. Sua aplicação é mais rápida, higiênica (sem contato manual) e silenciosa, pois o aparelho de aplicação é leve, garantindo a colocação com precisão.

Fazemos com profissional habilitado, com exclusividade, em ambiente calmo e confortável.

A mãe também pode escolher os brincos que oferecemos na clínica. Se preferir trazer um brinco de sua escolha, também realizamos a aplicação, mas não com o mesmo método.

 

 

Método Studex
Método Studex

Capsulas Esterilizadas


helloquence-61189-1200x801.jpg

Uma pesquisa internacional conduzida pelo instituto Ipsos MORI, encomendada pela GSK, mostra que, no Brasil, um terço dos adultos com mais de 18 anos se consideram “não muito” ou “não são conhecedores” sobre as vacinas disponíveis para esta faixa etária. Esta proporção é ainda maior entre os que não têm filhos: 45%.*

Dentre os entrevistados, 64% não estão com a vacinação totalmente em dia.*

Os adultos entrevistados reconhecem a importância da vacinação – 89% acreditam que as vacinas adultas sejam uma forma efetiva de prevenir doenças graves -, mas a prioridade é dada a outros hábitos saudáveis como, por exemplo, não fumar (81%) e se alimentar bem (78%), em detrimento de se manter em dia com as vacinas (63%).*

Além disso, 15% consideram que as vacinas são necessárias somente para fins de viagem.*

Nos últimos 5 anos, 58% adultos acima de 18 anos se vacinaram contra gripe; seguido de 41% contra Febre Amarela e 27% contra Hepatite B. Outras doenças tiveram pouca adesão vacinal, como Sarampo, Caxumba e Rubéola (10%), Meningite C (7%), Meningite B (7%), Meningite ACWY (6%).*

Entre os adultos que não estão com a vacinação totalmente em dia, quase dois terços (63%) é por não saberem quais as vacinas estão disponíveis para esta faixa etária, com quase metade (46%) afirmando que seu médico ou enfermeiro nunca mencionou a necessidade de vacinas na vida adulta.*

Entre os profissionais de saúde entrevistados no Brasil, 28% afirmam que não se sentem confortáveis em discutir a vacinação de adultos com seus pacientes, pois não receberam treinamento suficiente no assunto. Essa porcentagem aumenta para Pneumologistas e Obstetras (36%).*

 

 

Sobre a Pesquisa da GSK

A pesquisa, chamada de Vaccinate for Life, foi conduzida pelo instituto Ipsos MORI, encomendada pela GSK. Ela foi realizada entre 6 de julho e 14 de agosto de 2017. A pesquisa com o público em geral foi endereçada a homens e mulheres acima de 18 anos, com amostra de 6.002 entrevistados, de cinco países: Brasil, Estados Unidos, Itália, Índia e Alemanha. No Brasil, a amostra de 1.000 entrevistados contou com participantes de todas as regiões do país. Já a pesquisa com profissionais de saúde foi realizada entre 16 de julho e 25 de agosto de 2017 e contou com 1.351 entrevistados de três países (Brasil, Itália e Estados Unidos). Um total de 200 profissionais de saúde foi entrevistado no Brasil. A composição da amostra em cada mercado foi a seguinte:*

 

  Brasil Itália EUA
Clínica Médica     501
Farmacêuticos     500
Clínico Geral 100 100  
Assistência Médica*   50  
Enfermeiros 50    
Pneumologistas e Obstetras 50    
Total 200 150 1001

*Original: Hygienists – especialidade não existente no Brasil

 

Sobre a GSK

Uma das indústrias farmacêuticas líderes do mundo, a GSK está empenhada em melhorar a qualidade da vida humana permitindo que pessoas façam mais, vivam melhor e por mais tempo. Para mais informações, visite www.gsk.com.br

 

*Vaccinate for Life Survey. General Public and Healthcare Professional (HCP) results. Executive Summary Brazil. Ipsos MORI, 2017.

FONTE: RELEASE GSK


HPV-NOV-AZUL2.jpg

O HPV é considerado um vírus tão comum, que quase todos os homens e mulheres poderão ser infectados com um ou mais de um dos seus 200 subtipos. O papilomavírus humano causa verrugas genitais (ou condilomas) e também câncer. Essas doenças podem ser evitadas com a vacina contra o HPV. Vacinar homens, desde meninos, reduz o risco para a população como um todo. Se proteger é fundamental!

Tanto em homens quanto em mulheres, o HPV está associado ao surgimento de câncer anal e também de tumor na boca (6º tipo mais comum de câncer no mundo- 230 mil mortes por ano). Em homens, o vírus pode provocar câncer no pênis.

 

Subtipos 6 e 11 – surgimento de 90% das verrugas na região genital e anal.

Subtipos 16 e 18 – responsáveis por 80% dos cânceres de ânus e 50% dos casos de pênis e sistema orofaringe.

 

“De 12,7 milhões de novos casos de câncer em homens e mulheres, reportados anualmente em todo mundo, 610 mil têm como causa alguns tipos de HPV, informa estudo divulgado em 2012 pela respeitada publicação Lancet Oncology, do Reino Unido. Em homens, o Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC na sigla em inglês) afirma que esse vírus responde por cerca de 5% de todos os casos. Ainda segundo o CDC, o HPV está relacionado com 99% dos cânceres de colo do útero; com 90% dos de ânus; 70% dos de boca; e 40% dos cânceres de pênis. Quanto à incidência de alguns desses tipos de câncer no Brasil, levantamentos do Instituto Nacional do Câncer (Inca), realizados em 2014, estimam em mais de 9 mil o de câncer de boca, a maior parte em homens — cerca de 70%. Quanto ao câncer de ânus, em 2009 o instituto somou 539 novos casos em homens e 1.078 em mulheres.” SBIM

A vacinação é recomendada para homens e mulheres a partir dos 9 anos de idade.

Vacina HPV 6,11,16,18


site.jpg

Conheças as vacinas que fazem parte do calendário da mulher!

Vacina hepatite A

Vacina hepatite B 

Vacina dengue

Vacina febre amarela 

Vacina gripe (influenza) — trivalente ou quadrivalente

Vacina herpes zóster

Vacina HPV

Vacina meningocócica B, C conjugada e ACWY

Vacina dupla bacteriana do tipo adulto – dT (difteria e tétano) 

Vacina tríplice bacteriana acelular do tipo adulto – dTpa (difteriatétano coqueluche) ou  com poliomielite – dTpa-VIP

Vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) – SCR

Vacina varicela (catapora)

Vacinas pneumocócicas

GRÁVIDAS

(indicadas)

girl-baby-belly-blue-41271

Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto– dTpa ou dTpa-VIP
Dupla adulto (difteria e tétano) – dT
Hepatite B
Influenza

Pós-parto (caso não tenha sido imunizada ainda):
 HEPATITE B
 TRÍPLICE VIRAL
 VARICELA (CATAPORA)
 INFLUENZA
 TRÍPLICE BACTERIANA ACELULAR
 HEPATITE A
 HPV
 MENINGOCÓCICA CONJUGADA

 


baby-1151351_1920-1200x900.jpg

Catapora
O que é?

Catapora, ou varicela, é uma infecção causada pelo vírus varicela-zoster. É altamente contagiosa, mas quase sempre sem gravidade. É uma das doenças mais comuns em crianças menores de 10 anos, tanto que mais de 90% dos adultos são imunes, pois já a contraíram em alguma época da vida.

Uma vez exposta à doença, a pessoa fica imune pelo resto da vida. Apesar disso, o vírus se instala de forma latente no organismo, em gânglios nervosos próximos à coluna vertebral. Se houver uma reativação deste vírus, ele pode causar uma doença chamada herpes zoster, que possui um quadro clínico geralmente típico, de vesículas agrupadas sobre base eritematosa, associada à sensação de dor, queimação e aumento da sensibilidade local.

Crianças costumam contrair catapora no inverno, pois a concentração de pessoas em ambientes fechados aumenta por causa do frio. A transmissão da catapora dá-se pelo contato direto com saliva ou secreções respiratórias da pessoa infectada, ou pelo contato com o líquido do interior das vesículas. Após o contato, o período de incubação dura em média 15 dias. A recuperação completa ocorre de sete a 10 dias após o aparecimento dos sintomas.

Sintomas

Varicela em crianças é considerada uma doença sem muita gravidade, mas que pode deixá-las muito irritadas e cansadas por causa dos sintomas.

Primeiro vem a febre, que pode chegar a 39,5º, mal-estar, falta de apetite e cansaço. Depois, começam as manchas vermelhas que coçam muito. Essas manchas se transformam em bolhas cheias de líquido que, depois de estourarem, formam pequenos machucados que logo se tornam cascas e se curam. Normalmente, o processo da doença demora entre uma e duas semanas. Algumas crianças têm apenas poucas lesões, mas, em outras, elas podem se disseminar pelo corpo. As lesões são mais numerosas no tronco e tendem a poupar as extremidades, podendo surgir em mucosas, como boca e área genital.

A principal complicação da catapora é a infecção secundária das lesões. Por esse motivo, deve-se evitar coçá–las e arrancar suas casquinhas. Cicatrizes altas, chamadas queloides, e deprimidas, atróficas, também podem surgir na involução da doença. O que determina essa complicação é a gravidade da doença e a predisposição do indivíduo em formar cicatrizes.

Adultos devem ter cuidado, pois neles a doença pode ser mais grave que em crianças, com comprometimento respiratório. O ideal é procurar um médico assim que surgirem os primeiros sintomas. Além disso, mulheres grávidas, que ainda não tiveram catapora, devem se manter longe de pacientes com a doença. Se houver uma eventual exposição, procurar um médico imediatamente – a varicela pode trazer complicações para o bebê. Atenção também com recém-nascidos, com crianças e com adultos que tenham o sistema imunitário enfraquecido.

Tratamento

Não há tratamento específico, mas há medicamentos que podem aliviar os sintomas, como paracetamol e dipirona para febre, e loção de calamina e géis que refrescam e aliviam a coceira. Uso de antissépticos, como sabonetes à base de triclosano, e banhos com permanganato de potássio também são válidos. Formas extensas de catapora, em adultos ou em imunocomprometidos, podem necessitar de tratamento antiviral e/ou imunoglobulinas específicas.

Prevenção

A doença, que é altamente contagiosa, se propaga das seguintes formas: de mãe para bebê durante a gravidez, parto ou amamentação; por gotículas respiratórias no ar (tosse ou espirro); contato com a pele (apertos de mão ou abraços); por toque em uma superfície contaminada (cobertor ou maçaneta). A melhor forma de prevenir a doença é se vacinar […] A vacinação é importante porque preserva não só a pessoa contra as doenças, mas todos em sua comunidade. Isto é especialmente importante para as pessoas que não podem se vacinar, como aquelas com sistemas imunológicos debilitados e mulheres grávidas. Algumas pessoas, mesmo vacinadas contra a varicela, ainda podem ter a doença. No entanto, será uma versão geralmente mais suave, com menos bolhas e pouca ou nenhuma febre.

Outro modo de se prevenir é evitar ao máximo o contato com pessoas que estejam com a doença. Há possibilidade de transmissão a partir do momento em que começam a surgir as primeiras manchas, situação que permanece até a última bolha secar. Portanto, aquele que ainda não teve a doença, ou está no grupo de risco, não deve ter contato com os pacientes. Já as pessoas com catapora devem se manter o máximo possível longe do convívio coletivo até que todas as bolhas sequem. Ou seja, crianças não devem ir à escola e adultos precisam se afastar do trabalho.

 

FONTE: SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA

pexels-photo-273169-1200x960.jpeg

2O inverno está chegando agora em junho e este é o período com maior incidência de gripe e a vacinação deve acontecer antes porque o nosso organismo leva, de 2 a 3 semanas para produzir os anticorpos que protegem contra a gripe. A vacinação contra gripe pode reduzir entre 32% e 45% as hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.

Pessoas de todas as idades devem se vacinar. Saiba mais sobre a gripe: http://bit.ly/vacinargripe

Em maio Campinas apresentou dois óbitos por Influenza A, uma mulher de 58 anos e um homem, de 78 anos. De acordo com boletim epidemiológico, desde o começo do ano foram notificados mais de 1.700 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave. O vírus influenza A (H3N2) foi o mais frequente, seguido do vírus influenza B, e influenza A (H1N1).

AS VACINAS DA GRIPE

1As vacinas trivalente e tetravalente (pediátrica e adulto), protegem contra os seguintes vírus:
Vacinas Influenza TRIVALENTE: influenza A/Michigan/45/2015 (H1N1); A/Hong Kong/4801/2014 (H3N2); e B/Brisbane/60/2008.
Vacinas Influenza QUADRIVALENTE: todos os citados na trivalente mais o influenza B/Phuket/3073/2013.
AVISO: não divulgamos VALORES pelas redes sociais, apenas por telefone (ligar no horário de expediente) ou enviar email para a unidade desejada. 💉

 

AGENDE SUA VACINAÇÃO DOMICILIAR: escolha qual a vacina, dia, horário e forma de pagamento. Esse serviço deve ser agendado previamente e funciona de segunda à sexta, das 9h às 17h. Conte com a excelência da Companhia da Vacina em sua residência! Ligue ou acesse: http://bit.ly/vacinaemcasa

 

Unidade CAMPINAS

Rua Olavo Bilac, 283 – Cambuí.
(19) 3294-4282 e 3255-1313
campinas@companhiadavacina.com.br
WhatsApp Campinas 19 981450878

Unidade SOROCABA

Rua Dr. Francisco Prestes Maia, 99 – Jardim Paulistano.
(15) 3234-7561 e 3033-4981
sorocaba@companhiadavacina.com.br
WhatsApp Sorocaba 15 991088693

 


129500-dengue02-1200x806.jpg

Nos últimos 3 anos tivemos quase 3 milhões de casos de Dengue e cerca 1600 mortes.  A vacina contra a dengue ajuda a proteger  contra os quatro sorotipos da dengue Ela reduz o risco de se contrair a doença, em 93% de dengue grave e em 80% o risco de hospitalização. 

Fabricante da vacina apresentou um estudo de custo-efetividade da vacinação contra a dengue no Brasil. Se a vacinação fosse implementada em 10 anos para todos de 9 anos e por 3 anos uma campanha de 10 até 25 anos, reduziríamos 14 milhões de casos de dengue, menos 641 mil hospitalizações e teríamos 5 mil mortes evitadas.

A vacina é recomendada para crianças a partir de 9 anos de idade, adolescentes e adultos até 45 anos. Dispomos da vacina monodose e também a multidose – neste caso específico de multidose temos planos especiais para a família! A multidose deve ser tomada em três doses com um intervalo de seis meses entre cada uma. Lembre-se que para esta, uma vez agendada é importante que não falte e que seja preciso no horário, pois o frasco com as vacinas contém 5 doses e deverá ser utilizado em no máximo 6 horas. O não comparecimento ou atraso poderá inutilizar a sua dose!

 

Informações gerais: Prevenção contra a dengue causada pelos sorotipos 1,2,3 e 4 do vírus da dengue. Recomendada dos 9 aos 45 anos de idade.

Contra indicações: deficiência imunológica congênita ou adquirida, indivíduos com infecção por HIV, mulheres grávidas ou mulheres que estejam amamentando.

Saiba mais sobre a doença: http://companhiadavacina.com.br/dengue/

 

Você pode agendar a sua vacinação na clínica ou na sua residência (serviço especial). Ligue ou envie um email para a unidade desejada (Campinas ou Sorocaba)*. 
*NÃO AGENDAMOS PELO FACEBOOK E NEM PASSAMOS VALORES.

Unidade CAMPINAS

Rua Olavo Bilac, 283 – Cambuí.
(19) 3294-4282 e 3255-1313
campinas@companhiadavacina.com.br
WhatsApp Campinas 19 981450878

Unidade SOROCABA

Rua Dr. Francisco Prestes Maia, 99 – Jardim Paulistano.
(15) 3234-7561 e 3033-4981
sorocaba@companhiadavacina.com.br
WhatsApp Sorocaba 15 991088693


person-apple-laptop-notebook-1200x800.jpg

Estaremos no I Congresso Brasileiro de Clínicas de Vacinas – Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas ABCVAC, em São Paulo. Um encontro marcante e de muito valor, já que o momento é de grande impacto no setor de saúde e com grande expectativa na apresentação dos laboratórios parceiros!

 


logo_lateral_branco

Somos uma clínica que oferece serviços de vacinação para a prevenção, promoção da saúde e bem-estar. Contamos com uma equipe completa e capacitada, além de vacinas de alta qualidade, oferecendo todo suporte, conforto e segurança que você e sua família precisam!

Unidade Campinas

R. Olavo Bilac, 283 Cambuí, Campinas/SP

Fone: (19) 3294-4282
Fone: (19) 3255-1313

campinas@companhiadavacina.com.br

Unidade Sorocaba

R. Dr. Francisco Prestes Maia, 99 Jardim Paulistano, Sorocaba/SP

Fone: (15) 3234-7561
Fone: (15) 3033-4981

sorocaba@companhiadavacina.com.br

Companhia da Vacina© 2016. Todos direitos reservados.